Toxoplasmose na Gravidez


toxoplasmose na gravidez

A gravidez é um momento de grande alegria, mas pode ser também um período de inquietações e cuidados, sobretudo quando se trata de manter uma boa saúde pré-natal.

Das várias doenças infetocontagiosas que a mulher pode contrair nesta fase da sua vida, a toxoplasmose é uma das mais discutidas. No entanto, muitas vezes, os seus sintomas ou formas de contaminação são mal interpretados, originando algumas preocupações infundadas na gestante. Há, pois, que conhecer a doença e saber quais as verdadeiras repercussões na saúde da mãe e do bebé, assim como os cuidados a ter para reduzir risco de infeção da toxoplasmose na gestação.

A toxoplasmose é uma infeção causada por um dos parasitas mais comuns do mundo — o Toxoplasma gondii — um organismo unicelular que pode infetar a maioria dos animais e pássaros. No entanto, o parasita só se reproduz em gatos, pelo que estes felinos são os seus melhores hospedeiros.

A infeção está, pois, associada ao consumo de carne crua ou mal passada e à deficiente higiene das mãos após a ingestão da mesma ou ainda por contacto com fezes de gatos contaminados.

A maioria das pessoas afetadas não desenvolve quaisquer sinais e sintomas da toxoplasmose. Mas, nas crianças nascidas de mães infetadas e em pessoas com o sistema imunológico debilitado, a toxoplasmose pode causar complicações muito graves.

Em termos sintomáticos, a toxoplasmose é normalmente muito difícil de reconhecer, podendo causar sintomas semelhantes aos da gripe — gânglios inchados, dores musculares generalizadas, febre ou calafrios.

O sistema imunológico de uma pessoa saudável mantém o parasita sob controlo, e embora se mantenha alojado no organismo, está num estado inativo. Esta autodefesa proporciona imunidade à doença. No entanto, quando o sistema imunológico se encontra debilitado por doença ou pela ação de determinados medicamentos, a infeção pode ser reativada, podendo originar sérias complicações.

toxoplasmose na gravidez

Durante a gravidez, a doença é transmitida ao feto através do sangue. Na fase de infeção aguda, a toxoplasmose pode aumentar o risco de aborto e morte fetal.

Uma mulher grávida ou que pretenda engravidar deverá, pois, consultar o médico para fazer um teste da doença. Se a infeção estiver ativa, o tratamento pode reduzir significativamente o risco para o bebé. No caso das mulheres que desenvolveram imunidade à toxoplasmose antes da gravidez, ou seja, que já tenham sofrido dessa doença, não correm perigo de transmitir a infeção ao bebé.

Quando a gestante contrai toxoplasmose pela primeira vez durante a gravidez, há uma grande probabilidade de transmitir a infeção ao feto. Apesar disso, o risco e a gravidade da infeção do bebê depende muito da fase da gravidez em que a mulher contrai a doença — se a toxoplasmose se manifestar durante os três primeiros meses da gravidez, há pouca probabilidade de infetar o feto; no entanto, se a infeção na mulher se der no segundo trimestre da gravidez, já há uma grande possibilidade de isso acontecer.

A par do tratamento da gestante, o médico realizará exames ecográficos para descobrir se o bebé foi infetado. Quando o bebê não está infetado, o médico obstetra procederá ao tratamento da infeção na mãe com antibióticos adequados, a fim de reduzir a probabilidade de que o feto seja infetado.

Por outro lado, se o exame indicar que o feto tem toxoplasmose, o obstetra pode sugerir um tratamento com medicamentos que podem diminuir a gravidade da toxoplasmose congénita, mas não extinguirá qualquer dano eventualmente desenvolvido no feto.

Formas de prevenção da toxoplasmose na gravidez

Durante a gravidez, a mulher deverá tomar medidas preventivas para garantir que não seja infetada com toxoplasmose. Seguem-se algumas medidas que a poderão a salvaguardar a sua saúde e a do bebé, prevenindo a infeção:

  • Cozinhe bem a carne (esta deve atingir uma temperatura interna de 80° C, devendo ficar bem passada no interior, sem quaisquer vestígios de sangue);
  • Lave bem, com detergente e água quente, todos os utensílios de preparação de alimentos, tábuas de corte e superfícies;
  • Caso tenha gatos, mantenha-os dentro de casa;
  • Evite entrar em contacto com gatos vadios ou desconhecidos;
  • Evite o contacto com ovinos e outros animais;
  • Não deverá limpar os dejetos e materiais do gato enquanto estiver grávida. Se não tiver como o evitar, use sempre luvas;
  • Use luvas de jardinagem sempre que mexer na terra.





  No comments

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>