Alimentação Saudável na Gravidez

Para manter uma alimentação saudável na gravidez deve dar atenção à qualidade dos alimentos e fazer uma alimentação equilibrada. Acima de tudo, há que ter bom senso. Ler mais »

Amamentação… a opção é da Mãe

A amamentação é um ato de total liberdade, que deve depende unicamente da mãe e da criança. Se num dado momento a opção for outra, nada muda em termos de Amor. Ler mais »

Azia durante a Gravidez

A azia é um sintoma comum a partir do segundo trimestre da gravidez. O seu aparecimento deve-se ao aumento do útero e às alterações hormonais que ocorrem. Ler mais »

Viver a Maternidade... prepare-se para Ser Mãe

Não há nenhum manual que a ensine a ser mãe. Mas neste artigo damos-lhe dicas úteis que a ajudam a preparar-se para viver a maternidade que cresce dentro de si. Ler mais »

Gestação: as 4 Primeiras Semanas

Começam a formar-se o cordão umbilical e a placenta, bem como as extremidades, os pulmões e o tubo neural no embrião. A mãe também sente grandes alterações... Ler mais »

 

Arquivos de Etiquetas: doença na gravidez

Saúde na Gravidez: Hepatite A

Hepatite A é uma doença do fígado altamente contagiosa e por vezes fatal. Esta doença infetocontagiosa está associada à falta de higiene sanitária e após evacuar, sendo causada por um vírus que passa de um indivíduo para o outro através do contacto com fezes contaminadas. A transmissão pode ser feita através da água, dos alimentos, lençóis, etc.

Em termos gerais, os sintomas assemelham-se aos da constipação, sendo que os sinais mais comuns incluem a cor amarelada na pele e nos olhos, urina escura e fezes claras.

Durante a gravidez, os riscos para o feto são, em geral, limitados, pois a maioria dos vírus da hepatite não atravessa a barreira placentária, e não existem riscos de malformações nem de parto prematuro. Mas há exceções.

Herpes Genital na gravidez

Herpes genital é uma doença que se caracteriza pelo surgimento de bolhas ou lesões nos órgãos genitais. Esta é uma doença sexualmente transmissível, sendo a contaminação por via sexual a mais comum de todas, embora haja outras formas de propagação da doença. A transmissão também é possível nos casos em que há sexo oral, quando o parceiro tem herpes na boca.

Em pessoas comuns, em geral não provoca grandes problemas. No entanto, em mulheres grávidas, pode causar aborto e sequelas graves no bebé. Por isso, é muito importante informar o médico obstetra de qualquer manifestação de herpes genital, na mulher ou no seu parceiro.

Os sintomas variam muito de pessoa para pessoa, mas costumam ser mais graves logo após o contágio, pois o organismo ainda não desenvolveu anticorpos para combater o vírus. Nessas situações, além de da comichão, ardor e lesões características na área genital, podem surgir sintomas de gripe (como febre, dor de cabeça e dores musculares). Algumas grávidas chegam a precisar de tratamento intravenoso com um antiviral.

Saúde na Gravidez: doenças infetocontagiosas

Embora engravidar seja um ato natural, existem algumas doenças ou infeções que podem surgir ou sofrer uma mudança durante a gravidez.

Existem algumas infeções capazes de atravessar a placenta, podendo mesmo afetar o desenvolvimento fetal, apesar de não exporem a saúde da mãe a qualquer tipo de risco.

Algumas das infeções são mais conhecidas do que outras, mas há que as conhecer para saber quais os cuidados a ter, a fim de preservar a saúde do bebé e minimizar qualquer interferência no seu desenvolvimento.

Saúde na Gravidez: a Rubéola

A rubéola é uma doença viral que ataca adultos e crianças, cuja característica mais marcante é o aparecimento de manchas vermelhas na face e atrás da orelha, que depois se espalham pelo corpo inteiro.

O período de incubação do vírus geralmente dura entre 2 a 3 semanas, no qual a pessoa não apresenta quaisquer sintomas, mas pode transmitir a doença. A doença é transmitida por via respiratória, pela urina, fezes ou através da pele.

As vacinas para a prevenção da doença estão disponíveis desde 1969 e fazem atualmente parte do plano nacional de vacinação em Portugal, sendo administrada em bebés entre os 12 e os 15 meses de vida. O grau de eficiência da vacina é quase de 100%, sendo, pois, uma forma eficiente de prevenir a doença. Por isso, todas as mulheres em idade fértil (entre 13 e 39 anos) têm de receber uma dose da vacina e, ao ser vacinada, a mulher ficará imune ao vírus, sendo muito difícil vir a desenvolver a doença.

Saúde na Gravidez: o que é a Sífilis?

A Sífilis é uma infeção bacteriana sexualmente transmissível e diagnosticada por análises sanguíneas específicas.

A bactéria responsável pela doença (Teponema Pallidum) penetra no organismo, por contacto direto, através das mucosas (como as da vagina ou da boca), ou então através da pele, pelo que pode ocorrer numa relação sexual por via vaginal, oral ou anal. Horas depois do contacto com a zona afetada do parceiro, a bactéria chega aos gânglios linfáticos e, a partir daí, propaga-se por todo o organismo através do sangue.

A transmissão da sífilis pode também ocorrer durante a gravidez, passando diretamente da mãe para o feto. Nestes casos, a doença designa-se sífilis congénita, pois o bebé pode vir a ter defeitos congénitos ou outros problemas de saúde graves derivados da infeção.