Férias e Viagens durante a Gravidez

No verão apetecem-nos sempre umas merecidas férias para recuperar de um ano de trabalho e enfrentar os meses seguintes com forças revigoradas. No entanto, para uma grávida, há determinadas questões que se devem ter em atenção, dependendo da forma como está a decorrer a gravidez e o tempo de gestação.

Se a gravidez ainda não estiver no final e a correr sem problemas, a grávida não correrá riscos em ir de férias. No entanto, deve assegurar-se de que o local para onde vai tem condições de higiene adequadas, se o facto de viajar não lhe vai criar tensão ou até se o seu regime alimentar habitual não irá sofrer alterações.

Há que ter ainda em atenção que, apesar de todos os cuidados, pode haver uma situação de urgência a qualquer momento. Por isso, quer viaje para o estrangeiro ou para outra região do país, deverá ver se a Segurança Social ou o Seguro de Saúde que detém cobrem a ida às urgências fora do local de residência habitual.

Hemorróidas durante a Gravidez

Durante a gravidez a mulher sofre grandes alterações hormonais devido à preparação que o corpo tem de fazer para acolher a vida que cresce dentro de si.

Grande parte das mulheres têm hemorróidas pela primeira vez quando estão grávidas ou, se já há uma predisposição natural para as ter, durante a gravidez tendem a agravar-se. No entanto, elas não surgem repentinamente, desenvolvem-se com o tempo e existem vários fatores que podem levar à sua ocorrência:

  1. Em grande medida, o aumento da produção de hormonas femininas, especialmente da progesterona, que produz um relaxamento geral dos músculos, leva a que as paredes internas do intestino também sejam afetadas, proporcionando o aparecimento/agravamento das hemorróidas.
  2. Verifica-se um aumento do volume sanguíneo e da pressão exercida nas veias que se situam abaixo do útero, devido ao peso do feto. Desta forma, o fluxo sanguíneo torna-se mais lento, podendo mesmo estagnar em alguns pontos, originando um inchaço das veias ou até o seu rompimento, especialmente nas zonas mais propícias, como o reto e as pernas.
  3. Há também que ter em conta a obstipação, que afeta grande parte das mulheres nesta fase. Sendo as fezes mais duras e volumosas, há um esforço maior para a sua expulsão e, como as veias do reto e ao redor do ânus estão inchadas, pode surgir uma rutura.
    É, por isso, muito importante que a grávida na sua alimentação fibras, bastante água e também que pratique exercício físico para prevenir a obstipação.
  4. A questão da hereditariedade é outro factor que influencia o surgimento das hemorróidas.
  5. Por fim, estar sentada em superfícies duras durante muito tempo, pegar em grandes pesos ou estar em pé durante muito tempo poderão também contribuir para a sua manifestação.

Sangramento Vaginal durante a Gravidez

O sangramento durante a gravidez ocorre por diversas razões, podendo ser uma situação de alerta ou uma reação natural do organismo da mulher. No entanto, para as gestantes, o sangramento é sinal de que algo se passa com o bebé ou até um sintoma de aborto espontâneo.

Existem diferentes razões para ocorrer um sangramento vaginal durante a gravidez, e o motivo pode ser grave ou relativamente comum. Se constatar que há perda de sangue, mesmo que não tenha sentido dor, consulte o seu médico para realizar exames ou perceber o que efetivamente ocorreu.

A fase em que ocorre o sangramento é um fator determinante para identificar um possível problema. Se acontecer no primeiro trimestre da gravidez, pode estar relacionado com as mudanças hormonais no corpo da gestante. Há mulheres que sangram regularmente na altura em que viria a menstruação e, se não tiverem outros sintomas de gravidez, podem tomar consciência do seu estado já numa fase tardia da gestação ou mesmo quando entram em trabalho de parto.

Parto na água

O parto é um momento único na vida da mulher. No entanto, todas as mulheres desejam que o parto seja calmo, tranquilo, sem grandes dores e sem complicações.

Hoje em dia, existem várias possibilidades para a realização do parto, sendo que as mulheres devem previamente fazer uma avaliação e uma análise dos prós e dos contras de cada forma e escolherem o parto que melhor se adapte à sua realidade e desejos.

O parto na água é uma das formas do parto natural, no qual a mulher fica numa banheira ou tanque, dentro de água a uma temperatura que oscila entre os 360C e 370C, de forma a cobrir toda a barriga da grávida que está em trabalho de parto. É de salientar que apenas deve entrar para dentro da banheira quando estiver com 5 cm de dilatação, uma vez que se entrar muito cedo as contrações podem abrandar e complicar o trabalho de parto. Caso comece a sentir um relaxamento total das contrações, deve sair da banheira, caminhar durante um tempo e, de seguida, voltar para a banheira, para a continuação dos trabalhos de parto. Enquanto estiver dentro da banheira deve beber bastante água, uma vez que corre o risco de desidratar ou sofrer um sobreaquecimento.

O que acontece na sala de parto?

O parto é um momento único na vida de qualquer mulher e deve ocorrer de forma tranquila, no maior conforto possível e com a privacidade que a grávida desejar. O local mais procurado e seguro para o nascimento do bebé é a sala de partos, com o devido acompanhamento médico.

A sala de partos deve estar previamente equipada com o material necessário para todo o trabalho do parto, mas também deve estar preparada para qualquer imprevisto que possa surgir, tanto para a mãe como para o bebé.

A grávida dá entrada na sala de partos antes do bebé nascer, ou seja aquando do início da primeira fase do parto, com o aparecimento das contrações uterinas de forma regular, frequente e dolorosa. Todas as fases do parto devem ser acompanhadas por uma equipa médica especializada e preparada para ajudar ao nascimento do novo ser.