Alimentação Saudável na Gravidez

Para manter uma alimentação saudável na gravidez deve dar atenção à qualidade dos alimentos e fazer uma alimentação equilibrada. Acima de tudo, há que ter bom senso. Ler mais »

Amamentação… a opção é da Mãe

A amamentação é um ato de total liberdade, que deve depende unicamente da mãe e da criança. Se num dado momento a opção for outra, nada muda em termos de Amor. Ler mais »

Azia durante a Gravidez

A azia é um sintoma comum a partir do segundo trimestre da gravidez. O seu aparecimento deve-se ao aumento do útero e às alterações hormonais que ocorrem. Ler mais »

Viver a Maternidade... prepare-se para Ser Mãe

Não há nenhum manual que a ensine a ser mãe. Mas neste artigo damos-lhe dicas úteis que a ajudam a preparar-se para viver a maternidade que cresce dentro de si. Ler mais »

Gestação: as 4 Primeiras Semanas

Começam a formar-se o cordão umbilical e a placenta, bem como as extremidades, os pulmões e o tubo neural no embrião. A mãe também sente grandes alterações... Ler mais »

 

Arquivos da Categoria A Gravidez

Necessidades Nutricionais durante a Gravidez

A gravidez é o período mais maravilhoso da vida de uma mulher e, ao mesmo tempo, um dos que exige maior responsabilidade no sentido de manter um estilo de vida saudável. A nutrição durante a gravidez é uma componente fundamental e a alimentação deve ser o mais natural possível.

É costume pensar-se que a mulher grávida deve “comer por dois”. Mas este mito está totalmente errado. A mulher deve, sim, saber quais as necessidades nutricionais próprias da gravidez, para que possa manter uma alimentação saudável, para si e para o seu bebé.

Deverá sempre ter em mente que as opções alimentares que faz durante a gravidez não só irão influenciá-la a si, mas também ao bebé. Como tal, há uma série de cuidados a ter para levar uma gravidez saudável:

Planear uma Nova Gravidez evita Partos Prematuros

Um intervalo muito curto entre um parto e uma nova gravidez aumenta os riscos de parto prematuro e de problemas de saúde para a mulher e para o bebé.

A Universidade de Washington realizou uma investigação sobre o tema, no qual, num universo de 156 mil mulheres, foram ponderados os intervalos entre duas gravidezes, a forma como decorreu o segundo parto e a saúde dos segundos filhos. Com os dados apurados, concluiu-se que:planear uma nova gravidez

» Um intervalo inferior a 6 meses entre um parto e a gravidez seguinte aumenta em 41% por cento o risco de parto prematuro (antes das 35 semanas de gestação);

Alimentação Saudável na Gravidez

A alimentação da mulher durante a gravidez interfere ativamente na formação dos órgãos e sistemas do feto. Por isso, e especialmente nesta fase, é fundamental que a mulher dê atenção à qualidade dos alimentos que ingere, tendo o cuidado de moderar também a quantidade.

Ao contrário do que vulgarmente se diz, a grávida não deve “comer por dois”, mas sim pensar no bem-estar dos dois – mãe e feto. O facto de a grávida comer grandes quantidades de comida pode levar à obesidade materna e, como tal, não é saudável para si nem para o bebé.

Durante a gravidez, a mulher deve ter um aumento de peso entre 9 a 12 Kg em relação ao seu peso normal. A variação depende do facto de a mulher ser naturalmente mais forte ou mais magra. Qualquer aumento ou diminuição de peso exagerado nesta fase tem repercussões na saúde materna e fetal e, como tal, a grávida não deverá cometer excessos na alimentação ou fazer quaisquer tipos de jejuns.

Vírus do Papiloma Humano (HPV) na gravidez

A principal forma de transmissão do Vírus do Papiloma Humano (VPH ou vírus HPV) é por via sexual, sendo considerada a doença sexualmente transmissível mais frequente. Esta doença viral é transmitida por contacto direto e não por fluídos orgânicos.

As formas de prevenção da doença são similares às das restantes doenças sexualmente transmissíveis, passando sobretudo por evitar comportamentos sexuais de risco.

Os sintomas de infeção mais frequentes são lesões (em forma de verruga) na vagina, colo uterino, grandes e pequenos lábios e reto.

Problemas na Gravidez: gravidez ectópica

Tal como o próprio termo sugere, uma gravidez ectópica ocorre quando o óvulo fecundado se fixa fora do útero materno.

Em 95% dos casos, o óvulo adere ao revestimento das tubas uterinas (comummente designadas trompas de Falópio), resultando numa gravidez ectópica tubária. A gravidez ectópica ocorre ainda quando o óvulo se insere nos ovários, no abdómen ou no canal cervical (órgão que separa o útero da vagina e é responsável pela produção do muco vaginal). Nestes casos, designa-se gravidez ectópica abdominal ou cervical. Como as trompas, os ovários, o abdómen e o canal cervical não possuem espaço e tecidos adequados para que a gestação progrida, à medida que o feto cresce, é provável ocorrer uma rutura do órgão onde está inserido. Por essa razão, ocorrem frequentemente hemorragias que podem ser profundas e, em casos extremos, a vida da mãe pode mesmo correr perigo.

Se não for tratada, cerca de metade das gravidezes ectópicas leva ao aborto. Geralmente, a rutura de uma gravidez ectópica ocorre numa fase precoce da gestação, entre 6 e 12 semanas, dependendo do local onde o embrião está implantado.