Alimentação Saudável na Gravidez

Para manter uma alimentação saudável na gravidez deve dar atenção à qualidade dos alimentos e fazer uma alimentação equilibrada. Acima de tudo, há que ter bom senso. Ler mais »

Amamentação… a opção é da Mãe

A amamentação é um ato de total liberdade, que deve depende unicamente da mãe e da criança. Se num dado momento a opção for outra, nada muda em termos de Amor. Ler mais »

Azia durante a Gravidez

A azia é um sintoma comum a partir do segundo trimestre da gravidez. O seu aparecimento deve-se ao aumento do útero e às alterações hormonais que ocorrem. Ler mais »

Viver a Maternidade... prepare-se para Ser Mãe

Não há nenhum manual que a ensine a ser mãe. Mas neste artigo damos-lhe dicas úteis que a ajudam a preparar-se para viver a maternidade que cresce dentro de si. Ler mais »

Gestação: as 4 Primeiras Semanas

Começam a formar-se o cordão umbilical e a placenta, bem como as extremidades, os pulmões e o tubo neural no embrião. A mãe também sente grandes alterações... Ler mais »

 

Arquivos Diários: Julho 9, 2017

Estreptococos B durante a gravidez

Estreptococos são um género de bactérias que podem causar doenças no ser humano. No entanto, a maioria das espécies é inofensiva. O estreptococo do grupo B existe com frequência no intestino das pessoas em geral.

Na mulher, essas bactérias podem acabar por se alojar na vagina, não causando qualquer dano ao bebé enquanto ele está na barriga da mãe. A questão coloca-se no parto, sobretudo se for parto normal (eutócico); quando é cesariana, não é tão problemático, uma vez que o bebé não terá contacto com o canal vaginal.

Estas bactérias, por norma, não dão quaisquer tipos de sinais ou sintomas. O médico pede um exame para fazer o despiste e, caso dê positivo, o tratamento da infeção deve ser feito somente durante o trabalho de parto; não é indicado nos meses anteriores, nem mesmo com o uso de cremes vaginais.

Amamentação… a opção é da Mãe

Contra todas as evidências e argumentos científicos, as taxas de aleitamento materno ainda ficam aquém do que seria desejável.

Também não é por acaso que, apesar de praticamente todas as mulheres saberem e afirmarem que o leite materno é o melhor para os seus filhos, expressando o desejo de amamentar, ou de 95% das mães saírem das maternidades portuguesas com esta prática, o aleitamento materno sofre um rápido declínio ao fim de alguns dias ou semanas, atingindo valores francamente baixos no final do terceiro mês — altura em que as mães ainda nem retomaram o trabalho fora de casa

São muitas as causas que levam ao abandono da amamentação sem ser por desejo da mulher.